Notícia

02 de Outubro, 2018

Papa: Anjos da Guarda são nossa porta à transcendência

Francisco dedicou sua homilia aos Santos Anjos da Guarda durante missa na Casa Santa Marta

"Vou enviar um anjo que vá à tua frente, que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que te preparei". São essas palavras da Primeira Leitura, extraída do capítulo 23 do Livro do Êxodo, que guiaram a reflexão do Papa na homilia da Missa celebrada na Casa Santa Marta, no dia em que a Igreja festeja os Santos Anjos da Guarda. São precisamente eles, disse Francisco, "a ajuda muito especial" que o "Senhor promete ao seu povo e a nós que caminhamos na estrada da vida".

O Anjo, bússola que nos ajuda a caminhar

A vida, disse ainda o Papa, é o caminho no qual devemos ser auxiliados por "companheiros", por "protetores", por uma "bússola humana ou uma bússola que se parece com um humano" e ajuda a olhar para a direção que se devemos. Francisco cita três possíveis perigos que podem encontrar no decorrer da vida. “Existe o perigo de não caminhar. E quantas pessoas se estabelecem e não caminham, e toda a vida ficam paradas, sem se mover, sem fazer nada... É um perigo. Como aquele homem do Evangelho que tinha medo de investir o talento. O enterrou e pensou: “Eu estou em paz, estou tranquilo. Não poderei cometer um erro. Assim não arrisco”.

O perigo de não caminhar

De acordo com Francisco, muitas pessoas não sabem como caminhar ou têm medo de arriscar e param. “Mas nós sabemos que a regra é que quem fica parado na vida, acaba por se corromper. E ele referiu-se ao exemplo de nossas vidas como a água: “quando a água está ali parada, chegam os mosquitos, depositam ovos e tudo se corrompe. Tudo. O Anjo nos ajuda, nos leva a caminhar”, disse.

O perigo de errar o caminho ou girar num labirinto

Durante a Missa, o Pontífice prosseguiu que há outras duas insídias no caminho da vida: o "perigo de errar o caminho", que somente "no início é fácil de corrigir"; e o perigo de deixar o caminho para se perder numa praça, indo "de um lado e do outro como num labirinto" que aprisiona e "jamais o leva até o fim". Francisco reiterou que o "Anjo" "existe para nos ajudar a não errar o caminho e a caminhar nele", mas é necessária à nossa oração, o nosso pedido de ajuda, e refletiu segundo as palavras do Senhor: “Tenha respeito por sua presença”. “O Anjo é crível, tem autoridade para nos guiar. Ouça a sua voz e não se revolte contra ele. Ouça as inspirações que são sempre do Espírito Santo, mas é o Anjo a inspirá-las”, destacou.

Caminho para chegar ao Pai

Francisco ressaltou que a presença e o papel dos Anjos em nossa vida é ainda mais importante, porque eles não somente ajudam a caminhar bem, mas mostram também onde devemos chegar. “Eu gostaria de fazer a todos uma pergunta: vocês conversam com o seu Anjo? Vocês conhecem o nome dele? Vocês ouvem o seu Anjo? Vocês se deixam levar pela mão na estrada ou impulsionar para se mover?”

Ao refletir o Evangelho de hoje (São Mateus), o Papa Francisco enfatiza a importância de não desprezar a presença dos anjos.   “‘Não desprezeis nenhum desses pequeninos1, diz o Senhor, pois os seus anjos nos céus veem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus. No mistério da custódia do Anjo existe também a contemplação de Deus Pai, que o Senhor deve nos dar a graça de compreender”, pontuou.

Ao finalizar a Missa, o Francisco esclareceu sobre a importância de um Anjo Protetor. “O nosso Anjo não somente está conosco, mas vê Deus Pai. Está em relação com Ele. É a ponte cotidiana, desde a hora em que nos levantamos até a hora em que vamos dormir. Ele nos acompanha. É uma ligação entre nós e Deus Pai. O Anjo é a porta cotidiana para a transcendência, para o encontro com o Pai: ou seja, o Anjo nos ajuda a caminhar porque olha o Pai e conhece a estrada. Não nos esqueçamos desses companheiros de caminhada”, concluiu.


Fonte: Amex, com Vatican News